Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

João Banana: o ‘arauto’ da Lins Imperial

Compartilhe:
João Banana | Foto: Dayse King

Por Dayse King* (entrevista e pesquisa) e Denise Carla (texto de apresentação) |

João Banana | Foto: Dayse King

João Banana | Foto: Dayse King

João Banana tem 81 anos de idade e 68 de Lins Imperial. A paixão pelo carnaval, e pela agremiação, vem de infância. Ele participou, inclusive, da fundação da escola, em 7 de março de 1963, resultado da fusão da Filhos do Deserto (de 1933) e Flor do Lins (de 1946), escolas de samba oriundas do Morro da Cachoeira, no bairro do Lins de Vasconcelos. Não é à toa que o sambista ostenta, orgulhoso, o título de fundador  n°4 da Verde Rosa.

 

Como compositor, João Banana tem 14 obras com sua assinatura na história do carnaval carioca (a primeira é de 1961, ainda pela Filhos do Deserto). Ele é o maior vencedor de disputa de samba-enredo na Lins Imperial, mas chegou a ficar 11 anos em jejum. É de sua autoria o antológico ‘Chico Mendes – O arauto da natureza’, em parceria com Serjão, Jorge Paulo, Paulinho e Tuca (samba que marcou a última passagem da escola pela elite do carnaval carioca, em 1991, e que foi reeditado, em 2007 pela escola, e em 2011 pela mirim Infantes do Lins). João Banana se orgulha de, em toda a sua trajetória, só ter participado de disputa de samba-enredo na sua escola do coração. E de ainda continuar participando nos dias atuais.

 

“Enquanto eu for vivo vou continuar escrevendo samba, porque essa é a minha felicidade” (João Banana, em 2011).

João Banana e Jorge Torresmo . Foto: Tuninho Lins

João Banana e Jorge Torresmo | Foto: Tuninho Lins

 

 

João Banana foi presidente da Lins Imperial no triênio 2013-2015 e na sequência foi eleito presidente de honra da agremiação.

 

 

“Esta homenagem que a diretoria e a comunidade prestaram pra mim me deixou muito emocionado. Estou feliz e satisfeito pelo reconhecimento” (João Banana, em 2015)

 

 

Logo Enredo Infantes do Lins | Carnaval 2018

Logo Enredo Infantes do Lins | Carnaval 2018

 

 

E as homenagens ao baluarte não param por aí: muito querido por todos, João Banana terá a sua trajetória cantada em verso, prosa, alegorias e fantasias na Marquês de Sapucaí em 2018. É que ele será enredo da Infantes do Lins (enredo ‘Um Griot em verde e rosa conta a sua história: João Banana’, que será desenvolvido pelo carnavalesco Wagner Sans). A escola mirim será a 15ª a desfilar na terça-feira de Carnaval, dia 13 de fevereiro.

 

 

 

 

 

 

Entrevista concedida à Dayse King:

 

Eu sou o Samba: Qual o seu nome completo?

João Banana: João de Oliveira da Silva

 

 

Eu sou o Samba: Data de nascimento?

João Banana: 19/07/1936

 

 

Eu sou o Samba: Bairro onde nasceu?

João Banana: Nasci na rua Correia de Almeida, 122, no Engenho da Rainha (zona norte do Rio de Janeiro). Essa rua fica na esquina com a rua da quadra da escola. Era a antiga Rua 9. Me mudei para o Morro da Cachoeira quando tinha 3 anos de idade.

 

 

Eu sou o Samba: Alguma outra escola de samba de coração?

João Banana: Não, somente a Lins Imperial.

 

 

Eu sou o Samba: Quanto tempo de Lins Imperial?

João Banana: Sessenta e oito anos e sem faltar um desfile sequer! Queria ter desfilado já em 1946, mas não consegui devido à minha idade na época. Somente três anos depois consegui realizar o meu sonho e não parei mais.

 

 

Eu sou o Samba: Venceu quantas disputas de samba-enredo?

João Banana: Quatorze vezes: três pela Filhos do Deserto (Uma das escolas de samba que deu origem à Lins. A outra foi a Flor do Lins) e 11 vezes pela Lins Imperial.

 

 

Eu sou o Samba: Qual o seu samba-enredo preferido?

João Banana:  Chico Mendes, o Arauto da Natureza (Lins Imperial, 1991; e reeditado pela Infantes do Lins em 2007, e em 2011 pela própria Lins Imperial).

 

 

Eu sou o Samba:  Participou de quantas finais de samba-enredo?

João Banana: Foram tantas que nem lembro mais. Ganhei 14 vezes, mas perdi várias finais também…

 

 

Eu sou o Samba:  Qual foi o seu desfile inesquecível?

João Banana: Chico Mendes, o Arauto da Natureza no grupo especial, de 1991.

 

 

Eu sou o Samba: Tem algum parente desfilando na Lins Imperial?

João Banana: Sim, vários sobrinhos e sobrinhas.

 

 

Eu sou o Samba: Como o senhor descreveria a sua relação com a Lins Imperial?

Foto: Dayse King

Foto: Dayse King

João Banana: Sou Lins Imperial de coração e ainda desfilo por total amor pela minha escola. Nunca fui pra outra agremiação; nunca almejei conseguir dinheiro ou conquistar qualquer tipo de poder com a Lins. Sou muito feliz por estar aqui e quero o melhor pra minha comunidade. Eu já fui de tudo na escola. Só não saí de baiana porque não foi preciso; mas se tivesse sido necessário, eu teria saído também! Quando assumi a presidência não foi por vaidade, nem por outra coisa. Foi para poder ajudar a salvar a escola que estava pra enrolar a bandeira. Pensei na ocasião: “Se a escola tiver que morrer, que morra na minha mão”. Então, me lancei como presidente. Sou bem quisto por todos e a comunidade abraçou a ideia. Pessoas que estavam afastadas da escola voltaram e muitos não só me apoiaram, como vestiram a camisa e arregaçaram as mangas também, como o Jorge Torresmo (atual presidente) e Flavio Mello (atual diretor de carnaval), que cuidaram da parte do carnaval. Eu fiquei com a parte administrativa que estava bem desorganizada. Mas no meio do mandato eu sofri um enfarto e tive que me afastar, por ordens médicas, pra cuidar da minha saúde. Então, 0 Dr. Paulo Marrocos passou a cuidar de toda a documentação da escola por mim.

 

 

Eu sou o Samba: Qual o seu maior desejo pra Lins Imperial?

João Banana: Desejo muito sucesso! Espero que ela saia do Grupo de Acesso C, da Intendente Magalhães (em Campinho), porque ali é muito complicado. É uma falta de humanidade o que fazem com as agremiações que desfilam lá. Estou com 82 anos de idade e seria maravilhoso ver a Lins subir mais um pouquinho.

 

 

 

Desfile Lins Imperial – Carnaval 1991

Enredo: Chico Mendes, o arauto da natureza

 

 

Sambas-enredo de João Banana

 

Filhos do Deserto

1961 – Homenagem a Santos Dumont | Com Nelzinho e Tiburcio

1962 –  Joias da poesia brasileira – Castro Alves | Com Nelzinho e Tiburcio

1963 – Com Nelzinho e Tiburcio

 

 

Lins Imperial

1965 – Rio através da história | Com Nelzinho e Tibúrcio

1969 – A imperatriz das rosas – Com Nelzinho e Tibúrcio

1979 – A Guerra do reino divino | Com Antero

1982 – Clementina – Uma Rainha Negra | Com Tibúrcio e Antero

1983 – O dragão da maldade contra o Santo Guerreiro (Glauber Rocha) | Com Antero Marques e Altair Marques

1984 – Só vale quem tem dinheiro | Com Antero e Edivaldo Sargento

1991 – Chico Mendes, o arauto da natureza | Com Serjão, Jorge Paulo, Paulinho e Tuca

1992 – Eco – Rio 92 | Com Kiquinho

1996 – Méier, ponto de encontro de cantos e encantos

2007 – Chico Mendes, o arauto da natureza | Com Serjão, Jorge Paulo, Paulinho e Tuca

2011 – Um lugar chamado favela | Com Charles Braga, Torres de Pilares, Tião Pinheiro, Iuri Cruz e Wallace

 

2007/2008/2010, esse último ano o samba era belíssimo mas a escola não foi bem e ainda teve um site que falou que, só o que se salvou no desfile foi o samba, falou com uma certa tristeza na voz.

 

 

Samba-enredo Carnaval 2018 – Infantes do Lins

Autores do samba-enredo: J.V.Dias, Millena Wainer, Rafael Faustino, Mateus Pranto e Gabriel Simões

 

Letra do samba:

 

Sou o poder de transformar
Ancestral, guardião do saber popular
Criança, é você, a inspiração
Me vi novamente moleque João
Pés descalços a sonhar… a sonhar
Sob a luz da manhã eu brinquei
Nas águas claras me banhei
Com meu pai, Trabalhei na “Aliança”
Fonte real de esperança
Foi assim que tudo começou

 

No “Deserto” vi nascer a “Flor”
Fogo, a estrela, minha paixão
E no lindo enlace matrimonial
Surgiu nossa Lins Imperial        Bis

 

Busquei nos versos a inspiração
Vi notas se tornarem melodia
Regina, te entreguei o meu amor,
a minha vida
O meu poder é o dom de versar
O herói da floresta exaltei
Hoje o passado inspira o presente
Um futuro melhor virá
Tenho fé, minhas crianças
vão te emocionar!

 

Está estampado no meu coração
O verde e rosa do seu pavilhão
Aqui é meu chão, é minha raiz
Canta, Infantes do Lins          Bis

 

 

*Dayse King é fotógrafa e assina a coluna ‘Eu sou o Samba’, no Site Papo de Samba, desde novembro de 2017.

Deixe seu comentário:

Samba na Rede

  • Vai rolar neste sbado 25 das 10h30 s 14h nahellip
  • O cantor e compositor Marquinhos de Oswaldo Cruz  ohellip
  • Nelson Sargento est em casa E em casa a gentehellip
  • Parabns a todos os artistas que criam tocam e estudamhellip
  • A atriz Zez Motta emprestou a sua voz para umahellip
  • Vai ter homenagem pra nossa querida Alcione em forma dehellip
  • Hoje  dia de levantar um brinde e reverenciar Alcionehellip
  • Mais um filho a caminho mais um projeto voltado parahellip

Carnaval na Rede

  • Vai rolar neste sbado 25 das 10h30 s 14h nahellip
  • O barraco da Mangueira tambm foi liberado aps inspeo dahellip
  • Parabns a todos os artistas que criam tocam e estudamhellip
  • Depois de mais de um ms de interdio o barracohellip
  • A atriz Zez Motta emprestou a sua voz para umahellip
  • A Liga das Escolas de Samba do Rio de Janeirohellip
  • Pessoas de qualquer parte do pas e do exterior interessadashellip
  • Mais um filho a caminho mais um projeto voltado parahellip
  • A postagem de ontem do presidente Renatinho foto foi umahellip

Curta nossa Fanpage

Nossas Redes Sociais

Doe Sangue

Doe Sangue

Anuncie aqui

Anuncie aqui

Que tal anunciar a sua marca nesse espaço e em todas as páginas internas do nosso site? Entre em contato com a gente e saiba mais: faleconosco@papodesamba.com.br